O sentido da vida

Como saber se está na profissão certa?

axZowzp_700b

Se não está, o que espera para mudar?

Boa semana 😉

Anúncios

A actividade física

Ter uma actividade física é muito importante, para manter o corpo jovem e saudável por muito tempo.

Sabia que a partir dos 40 anos, se não tiver actividade física perde cerca de 200 gramas (por ano) de massa muscular, perdendo inclusive densidade óssea?…

img_fisica

A Organização Mundial de Saúde reconhece a importância da actividade física, enumerando mesmo os benefícios: reduz o risco de morte prematura por doenças cardiovasculares, diabetes do tipo II e cancro do cólon, reduz ainda a depressão e a ansiedade, ajuda a controlar o peso corporal, a reduzir a hipertensão arterial, a manter a saúde e o bom funcionamento do sistema músculo-esquelético, a melhorar a mobilidade e a promover o bem-estar psicológico.

Muitas vezes associamos actividade física a ir para o ginásio todos os dias. Conclusão: a maioria das pessoas já desiste da ideia só de pensar nela.

Ter uma actividade física pode ser por exemplo andar durante 45 minutos, 3 x por semana.

Vou enumerar algumas coisas que deve ter em conta:

 – Escolha uma actividade física que goste de fazer (caminhar, correr, bicicleta, ginásio, natação, dançar, etc..);

 – Deve fazê-la entre 3 a 4 vezes por semana;

 – Não há fórmula pronta, ou seja, não existe padrão para todas as pessoas, tem que ser algo de que se goste. Lembre-se que o prazer na actividade escolhida é factor essencial para que não desista;

 – A praticabilidade é importante, por isso procure algo perto do trabalho ou de casa, se for longe acaba por desistir.

Algumas dicas adicionais, para eliminar desculpas por falta de disponibilidade:

 – Pode optar por, 3 vezes por semana, subir as escadas em vez de utilizar o elevador. Esta actividade produz tão bons resultados que criaram uma máquina que simula a subida dos degraus;

 – Deixe o carro mais longe do local de trabalho ou, caso utilize os transportes públicos, saia uma a duas paragens antes, isso vai fazer com que caminhe;

 – Arranje um colega ou amigo para iniciar a actividade, assim cria o compromisso e ajuda a manter a regularidade na prática;

 – Ao fim-de-semana faça uma caminhada longa com a família, e aproveite o tempo para conversar, rir, brincar. Deve ser uma actividade que lhe proporcione mais qualidade de vida e uma maior cumplicidade entre os familiares.

A decisão agora está do seu lado. Termino com uma frase de um idoso anónimo:

“Se eu soubesse que iria viver tanto tempo… teria cuidado melhor de mim.”

Até ao próximo artigo,

Bruno Amaral

Produtividade venenosa

Porque queremos ser mais produtivos?

Muitas pessoas querem ser mais produtivas porque têm tantas coisas para fazer que, para realizarem tudo precisavam de ter pelo menos mais 6h por dia. O objectivo de aumentar a produtividade não é fazer o dobro do que faz e ficar mais stressado. O ideal é produzir mais em menos tempo, e isso vai dar-nos o que queremos, mais qualidade de vida.

Por norma, a falta de controlo sobre as coisas que queremos fazer leva-nos a querer produzir mais, ou a tentar gerir o tempo. Mas na realidade o que precisamos é gerir-nos a nós próprios, já que não é possível gerir o tempo. Não posso dizer hoje preciso fazer mais coisas por isso o meu dia vai ter 48h!

Isso pode levar-nos a ter uma produtividade venenosa: acontece quando produzimos ou achamos que produzimos muito e isso nunca termina.

produtividade

Um exemplo de produtividade venenosa é a pessoa que responde imediatamente a tudo: chega um email e responde na hora, pedem alguma coisa e pára tudo para fazer o que foi pedido, etc

Dá a sensação que produzimos muito, mas na realidade leva-nos deixar coisas para trás. A quantidade de coisas produzidas é efectivamente grande, mas obriga-nos a trabalhar até mais tarde, ou a levar trabalho para casa e finalizar o que não foi feito e deveria ter sido, porque estávamos a responder a outras solicitações, ou a fazer outras coisas.

O desgaste provocado leva à perda de qualidade de vida.

E ainda a outro problema: quando os colegas têm algo mais difícil de resolver, vão enviar para quem Acertou, para essa pessoa que resolve tudo na hora.

O trabalho começa a acumular e não temos como concluir tudo aquilo a que nos propusemos.

Cada vez mais temos de ter isso em mente. Resista à tentação de responder logo, lembre-se que a primeira resposta é quase sempre emocional.

Durante os vários artigos vamos tentar dar algumas soluções para maximizar a sua produtividade e poder fazer tudo aquilo que é realmente importante.

Até ao próximo artigo.

Bruno Amaral

Construa as suas bases

pilares1

Devemos começar por fortalecer e cuidar do corpo, para ter mais energia e resistência. Com resistência física conseguimos aguentar várias horas sem sentir dor e desconforto, seja por estar sentado ou por estar a fazer movimentos, geralmente repetitivos.

Em seguida é importante fortalecer as emoções. Com o fortalecimento emocional evitamos distracções. Ao ler isto, alguém pode pensar: será que as emoções são uma distracção?

Vou dar um exemplo para que o leitor perceba: quando está à espera de uma resposta a uma questão que acabou de enviar, mas que é muito importante para si, já reparou no que tendencialmente faz? Fica constantemente a olhar para o email, ou telefone. A ansiedade de obter uma resposta gera stress. A ansiedade é uma questão emocional. As emoções podem gerar uma poderosa energia de criação se as soubermos utilizar a nosso favor, mas o oposto também é verdadeiro, podem levar-nos à depressão. Todos nós em algum momento ficamos tristes e deprimidos. Esse estado de tristeza e depressão influencia a nossa produtividade, não conseguimos fazer nada, uma apatia instala-se e é difícil retomar aquele ritmo de alta produtividade.

Por fim treinar a mente racional: uma mente focada e disciplinada no que é realmente importante.

– Definir prioridades

– Evitar dispersão

– Fazer o certo com rapidez

– Foco nas coisas certas

– Resultado – concentrar esforços em actividades que trazem mais resultados

No próximo artigo vamos falar de produtividade venenosa.

Até ao próximo artigo,

Bruno Amaral