Rubrica com Método: “Professor, você salvou a minha vida”

Professor, você salvou a minha vida

1010562_469772809766655_263246706_n“No final de um curso da Nossa Cultura, o jovem Vinicius Machado veio falar comigo e fez uma declaração pública que comoveu os presentes:
– Professor. Quero-lhe agradecer, porque você salvou a minha vida.
Respondi que ele também estava salvando a vida de muita gente, pois também era um instrutor do Método DeRose. Mas Vini explicou:
– Não. Você salvou mesmo a minha vida. Eu tinha um amigo e costumava sair com ele para a night. A gente enchia a cara e saia por aí. Hoje, depois da aula, estou indo ao vel´rio dele. Encheu a cara, bateu com o carro e morreu. Eu podia estar lá, mas estou aqui vivo. Por isso, digo que você salvou a minha vida.
Os pais reconhecem isso, frequentemente perguntam-me como conseguimos que tantos jovens aceitem não usar drogar, nem fumo, nem álcool, sem partirmos para a repressão e sem usar doutrinação. A resposta é muito simples. O ser humano é bastante influenciado pelo grupo. Ora, o ambiente do Método DeRose é extretamente alegre e descontraido, muito diferente de outros agrupamentos, escolas ou associações. Os adeptos são jovens “cara-limpa”, saudáveis, desportistas, académicos, gente bonito, educada, sensível e com corpos sarados. É perfeitamente compreensível que o recém chegado fique fascinado e adote os bons hábitos desse grupa. Ele vê a moçada bonita, pessoas alegres, felizes, e quer participar daquela tribo, para ser aceito pela galera tem de ser cara-limpa.
Portanto, na verdade quem consegue isso é o ambiente saudável, é a boa companhia, são os demais jovens com quem o recém chegado vai conviver. Esse é o segredo do nosso sucesso com a juventude.”

DeRose in Quando é Preciso Ser Forte

Rubrica com Método: Não te posso contar…

Não te posso contar…

contar

Não te posso contar o quão serás feliz se fizeres da tua vida, a mais bela história de todas. Não por tudo ser belo e maravilhoso, mas por seres tu a tornar tudo mais bonito.
Não te posso contar o quão alegre vais ficar sempre que alguém cozinhar o teu prato favorito.
Não te posso contar o quão amado te vais sentir quando quem amas te oferece uma flor.
Não te posso contar o quão frustrado vais ficar quando não conseguires ajudar um amigo.
Não te posso contar a mágoa que fica quando vemos partir alguém que gostamos.
Não te posso contar a nostalgia que irás sentir quando te lembrares dos tempos de escola.
Não te posso contar a felicidade de veres uma criança a sorrir para ti.
Não te posso contar o quão quente é o colo dos avós.
Não te posso contar a segurança que a tua mãe te fará sentir em todos os momentos.
Não te posso contar a magia que se sente ao soltar gargalhadas com os amigos.
Não te posso contar o bom que é sentires intimidade com alguém.
Desculpa não te contar nada disto! Não irias entender.
Experimenta tu! Deslumbrares-te com a vida e descobrires tudo o que não te posso contar.
E depois poderei contar-te o quão é bom partilharmos experiências que só podemos contar a quem já as viveu!

Raquel Santos, por Federação Método DeRose Portugal

Viva + 2014: as fotografias

Domingo é dia de cultura!

exp_ocf_g_0A exposição O Consumo Feliz. Publicidade e sociedade no século XX apresenta uma seleção de mais de 350 obras da Coleção Berardo de Arte Publicitária, que no total reúne um conjunto de cerca de 1500 itens. Único no mundo inteiro, este acervo possui um interesse inigualável, congregando exclusivamente originais de publicidade pintados à mão, miraculosamente salvos das contingências do tempo e da sua inevitável e habitual destruição.

Estes originais destinados à reprodução em larga escala através de processos mecânicos, geralmente litográficos e rotográficos, constituem o acervo da prestigiada firma James Haworth & Company, uma das principais produtoras de publicidade do Reino Unido, com actividade iniciada por volta de 1900 e continuada até cerca de 1980. A intensa produção da firma, com milhares de trabalhos de vastíssima expansão, espelho e motor do consumo, permite não só um olhar detalhado sobre o fenómeno da publicidade e do marketing como, ainda, pelo seu interesse estético inigualável, uma panorâmica original para a compreensão do design gráfico e das próprias artes visuais contemporâneas.

Temáticas como os meios de transporte, o turismo, as duas Guerras Mundiais e a Guerra Civil de Espanha, o lazer, a alimentação, a moda, os electrodomésticos, a higiene, a beleza ou o automobilismo, traduzem a realidade das contingências políticas e sociais desse larguíssimo período, bem como os inerentes índices de desenvolvimento económico e cultural.

Aos primeiros exemplares, miméticos figurinos de moda pontuados de alguma produção Art Nouveau e aos comentários políticos da I Guerra Mundial (congregando então a firma as encomendas de empresas tão prestigiadas como a Cadbury, Oxo, J & J Colman e Rowntree), sucedeu a publicidade a novos bens de consumo e alimentos (electrodomésticos, cigarros, flocos de trigo, comida enlatada) e o impacto da moda, do jazz e do turismo, servidos frequentemente por um gosto humorístico, Art Déco, ou por um modernismo crescentemente despojado.

O crash bolsista de Wall Street e a crise que se lhe seguiu reforçaram a revisitação formal oitocentista ou a sedução imagética das belezas cinematográficas arquetípicas, alargada à imagem reconfortante da mãe ideal, a par de um modernismo mais radical – características evidenciadas nos exemplares de propaganda da II Guerra Mundial.

A expansão económica do pós-guerra serviu-se, particularmente, da esplendorosa imagem das actrizes de Hollywood – são identificáveis os retratos de Katherine Hepburn, Elizabeth Taylor, Rita Hayworth, Grace Kelly, Gene Tierney, Joan Fontaine, Maureen O’Hara, Kim Novak, Doris Day ou, ainda, Jennifer Jones e Audrey Hepburn – verdadeira galeria de ícones universais que teve a fotografia como base desta hiper-realista técnica gráfica, extensível também à imagem masculina e infantil.

Este hiper-realismo alargou-se à representação de cosméticos, alimentos, vestuário, tabaco, electrodomésticos e produtos de limpeza, que, por vezes, acresciam ao traçado humorístico, a par da supremacia cultural norte-americana que estimulava o consumo de novos produtos como comida instantânea ou pré-preparada, frequentemente de multinacionais de idêntica proveniência. O turismo, a moda e a expansão do automóvel, convertidos em indústrias de massas, continuaram a servir-se de um hiper-realismo gráfico, embora a expansão da fotografia a cores e de novas técnicas de impressão, como o offset, condenassem a ilustração publicitária à extinção, ficando estas obras de arte, hoje em dia raras e avidamente procuradas por coleccionadores, como itens inesquecíveis de uma era.*

Rui Afonso Santos, Comissário

* Neste texto foi mantida a grafia original, a pedido do autor.

Exposição Temporária, 17 Maio 2013 a 05 Jan 2014

Museu Coleção Berardo

Praça do Império, 1449-003 Lisboa

Domingo, às 10h30m. Junte-se a nós e aproveite que a exposição é de entrada livre 😉

Parabéns a todos nós!

Hoje comemoramos o 3º aniversário do Espaço Telheiras, e por este motivo estamos todos de parabéns!

No “todos” incluo a equipa, os amigos, os inimigos, e principalmente os alunos, razão pela qual surgimos, existimos e chegámos aqui. Incluo também o nosso querido Comendador DeRose, que mesmo do outro lado do Atlântico, está sempre presente, a guiar-nos como um farol na escuridão.

O número 3 deixa-me orgulhosa. E deixa-me com ainda mais certezas de que o caminho é este. Pode ser acidentado mas, como alguém uma vez disse: se o caminho fosse fácil era sinal de que estaríamos a descer. E o nosso objetivo é subir! Sempre! Até às estrelas! 🙂

Por isso agradeço do fundo do coração. A todos os que acreditaram em nós, e que nos apoiaram desde o início. E principalmente aos inimigos que, por não acreditarem, nos deram ainda mais raiva para continuar. A todos eles: OBRIGADA!!!

São 3 anos de alegrias e tristezas, conquistas e deceções, lágrimas de alegria e de infelicidade, alegrias sinceras e mágoas temporárias, amizades duradouras e inimizades passageiras, mas principalmente e sempre de grande aprendizagem…

Hoje apagamos 3 velas com muito orgulho e a certeza de que é possível ser feliz a “Trabalhar corpo & mente de forma inteligente” 😉

Festa de Inauguração (19/9/2010)

Festa de Inauguração (19/9/2010)

Festa de Reinauguração e 1º Aniversário (5/10/2011)

Festa de 2º Aniversário (5/10/2012)

Festa de 2º Aniversário (5/10/2012)

Vemo-nos e comemoramos logo, no Gourmet de Aniversário!